Review 1982 – Ganhou, mas não levou

Depois de uma confusão das grandes que antecederam o inicio da temporada, os pilotos saíram da África com destino ao Brasil, para a corrida que foi realizada no circuito de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. O grid de largada ficou da seguinte maneira: Alain Prost, Gilles Villeneuve, Keke Rosberg, René Arnoux, Niki Lauda, Carlos Reutemann, Nelson Piquet, Didier Pironi, Riccardo Patrese e Andrea de Cesaris, nessa ordem, nas dez primeiras posições do grid.

Na largada, Gilles e Arnoux largam melhor e assumem as duas primeiras posições, seguidos por Keke Rosberg. Algumas voltas depois, Keke conseguiu ultrapassar René pra assumir a terceira posição.

Nelson Piquet, que largou apenas em oitavo, fazia uma grande corrida de recuperação, e em poucas voltas, colocou e conseguiu ultrapassar Arnoux e foi à caça do finlandês da Williams. Ao chegar no carro de Keke, ele e Piquet travaram um duelo feroz, até depois de algumas voltas de intensas trocas de posições, Piquet conseguiu superar Rosberg e foi a caça de Gilles.

O brasileiro forçou a ultrapassagem sobre o canadense, que saiu da pista e não bateu no guard rail. Assim, Piquet assumiria a liderança da prova na 30ª volta, com Keke rosberg o acompanhando de perto até o fim.

No pódio, Nelson Piquet chegou a desmaiar devido ao grande esforço que fez durante a prova, além do fortíssimo calor que fazia no Rio de Janeiro. Keke Rosberg, segundo, e Alain Prost, terceiro colocado na corrida, acompanharam o brasileiro no pódio. Nos outros lugares pontuáveis, ficaram John Watson, Nigel Mansell e Michele Alboreto.

Porém, alguns dias depois, a FIA descobriu que a Brabham de Piquet e a Williams de Keke tinham descoberto uma falha no regulamento em relação ao peso mínimo de cada carro. Com isso, a Williams e Brabham fizeram um sistema de resfriamento dos freios com água.

Sendo assim, os carros ficavam com o peso mínimo no inicio da corrida e durante ela os carros ficavam mais leves que todos na pista, ganhando grande vantagem sobre os outros. A falha no regulamento era que se permitia, ao fim da corrida, recolocar os liquidos perdidos durante as corridas para os carros ficarem no peso mínimo ideal.

Mas, ao final das contar, Piquet e Keke foram desclassificados, e Prost herdou a vitória, com John Watson herdando a segunda posição e Mansell a terceira. Os outros lugares pontuáveis ficaram com Michelle Alboreto, Manfred Winkelhock e Didier Pironi. Com duas vitórias, e um carro muito rápido, parecia que Prost iria sumir na liderança do campeonato.

É isso. Não percam o “próximo episódio”, que falará da ‘vitória da volta’.


Publicado em novembro 25, 2010, em Uncategorized. Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. Foi um ano muito politico, mas bem interessante.

  2. makes me want to drink alchoholic beverages

  3. You made certain fine points there. I did a search on the subject matter and found mainly persons will have the same opinion with your blog.

  4. The next time I read a blog, I hope that it doesnt disappoint me as much as this one. I mean, I know it was my choice to read, but I actually thought youd have something interesting to say. All I hear is a bunch of whining about something that you could fix if you werent too busy looking for attention.

  5. Very good written article. It will be valuable to anybody who usess it, as well as me. Keep doing what you are doing – looking forward to more posts.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: