GP da Europa 2007 – A corrida

No GP da Europa de 2007, realizado em Nurburgring, como deveria assim ser até hoje, surgiu um mito que conquistou a todos na Fórmula 1: Trata-se do alemão Markus Winkelhock. A bordo de uma fraca Spyker, o alemão largou na última posição do grid. Porém, a previsão de chuva era grande, mas não choveu na hora da largada. Somente Winkelhock largou com pneus para pista molhada.

Pouco tempo depois de dada a largada, começou a chover, e vários pilotos começaram a rodar, além de vários toques. Nisso, o alemão foi ganhando várias posições, até surpreender a todos em Nuburgring, ultrapassando a Ferrari de Kimi Raikkonen, assumindo a liderança. O finlandês, aliás, pagou um mico dos grandes ao errar a entrada dos boxes.

Todos os pilotos foram para os boxes para trocar os pneus de pista seca para o de chuva, e Markus, como já havia largado de pneus para pista molhada, conseguiu uma enorme vantagem sobre os outros.

Markus Winkelhock chegou a estar a 1 minuto a frente de todos na pista, impressionando aos alemães presentes no circuito. Mas, na segunda volta, mesmo com os pilotos trocando os pneus, alguns não conseguiram se manter na pista e, na primeira curva do circuito, se via um estacionamento de carros de Fórmula 1.

A primeira vitima foi Jenson Button, da Honda. Lewis Hamilton, que fazia sua primeira temporada na Fórmula 1, também ficou na caixa de brita, mas seu carro foi colocado de volta para a corrida. Além deles, Adrian Sutil, Scott Speed, Nico Rosber e Vitantonio Liuzzi ficaram na caixa de brita, mas ao contrário de Hamilton, não foram colocados de volta para a corrida.

A rodada de Liuzzi foi a que mais chamou atenção, pois o carro do piloto passou muito perto do carro de segurança e ainda tocou em um dos pneus do guincho que estava retirando os carros dali. A corrida ainda foi até a sétima volta, com Winkelhock liderando e colocando uma volta em Lewis Hamilton. Mas, na sétima volta, a corrida foi paralisada porque as condições da pista e a chuva não eram boas para que se continuasse a prova.

A prova ficou paralisada por um tempo até que a chuva parou e o procedimento de relargada foi iniciado. Os carros se alinharam na posição os quais se encontravam uma volta antes da paralisação da corrida. Na largada, Felipe Massa ultrapassou Winkelhock sem muitos problemas, e o alemão, com um carro muito ruim em mãos, nada pode fazer também contra os outros.

Mas, seu feito de liderar 6 voltas e ainda dar uma volta na McLaren de Lewis Hamilton não será esquecido por ninguém. O alemão abandonou a corrida na volta 13 com problema hidráulico. Felipe Massa e Fernando Alonso, que guiava para a McLaren, disputavam a ponta da corrida, com uma pequena vantagem para o brasileiro.

Raikkonen, que era o pole, tentava se recuperar da besteira que fez na primeira volta, quando errou a entrada do boxe e perdeu muitas posições ao ir. Porém, na volta 34, o finlandês abandonou a corrida com o mesmo problema que obrigou Winckelhock a abandonar a prova. Só a titulo de informação, David Coulthard liderou sua última volta na Fórmula 1 nesta corrida, quando Massa e Alonso fizeram suas paradas.

Felipe Massa estava na liderança da corrida com Fernando Alonso o vigiando de perto, mas sem nenhum poder para atacar a Ferrari do brasileiro. Massa, que assumiu a liderança desde a relargada da prova, parecia ser certamente o vencedor desta corrida. Porém, quis o tempo interferir mais uma vez interferir na corrida.

Faltando menos de 10 volta para o fim, a chuva voltou, mas com menos intensidade que a que caiu no começo da corrida. Mais uma vez, todos os pilotos foram para os boxes para trocar os pneus. Na volta, Fernando Alonso se torna o piloto mais rápido no molhado e começa a atacar Felipe Massa, vendo ali uma boa chance para vencer e diminuir a vantagem para Hamilton no campeonato.

Na volta 56, Fernando Alonso atacou Felipe Massa e ambos tocaram, mas o espanhol levou vantagem e conseguiu a ultrapassagem que tanto queria. Agora, só restava ao espanhol abrir e receber a bandeirada em primeiro lugar. Mark Webber foi uma boa surpresa na prova, chegando na terceira posição.

Mais: Antes de irem ao pódio, Felipe Massa e Fernando Alonso tiveram uma discussão com o famoso “vá cagare” dito pelo espanhol. Depois de nove pódios consecutivos, obtendo duas vitórias entre eles, esse seria o primeiro GP do ano que Lewis Hamilton não pontuaria.

Estarei relembrando de outras corridas. Quem quiser, podem deixar suas sugestões nos comentários.

Publicado em dezembro 12, 2010, em Uncategorized. Adicione o link aos favoritos. 8 Comentários.

  1. Uma grande vitória de Alonso, na pista.
    Apesar claro, da típica reclamação pós-prova que faz até quando ganha…

  2. Tomaram a vitória do Winkelhock, ele ganharia facil a prova
    se ela não tivesse sido paralisada.
    Lembrei do q fizeram ao Senna com sua Toleman, dando coro em todo mundo
    e perto da vitória, encerram a prova pro Prost ser o vencedor.

  3. Olá…
    Leio seu Blog e queria pedir uma prova para ser relembrada. O GP da África do Sul de 1978, pois salvo engano, o Peterson ganhou essa prova literalmente no quilômetro final. Abs

  4. Fernando Cataldo

    Ótima corrida! Lembro até hoje de muitos indignados com o Hamilton sendo o único a ser colocado de volta a pista depois de rodar na curva 1. Só por curiosidade, quem disse o famoso “vá cagare!” foi Felipe Massa.

    Abraços.

  5. O pessoal da Spyker deve lembrar até hoje dessa corrida. Como era bom ver Massa e Alonso lutando na pista, e o brasileiro nessa fase, com um carro pior lutando com um atual bicampeão…

  6. Pelo que lembro, Daniel, [no início] a corrida foi considerada em pista seca. Sendo assim, todos largariam com pneus normais de corrida. Ao final da volta de apresentação/aquecimento, Markus Winkelhock, conhecedor do “humor” do clima de Nürburgring, não alinha seu carro no grid e opta por entrar no pitlane e para no box da Spyker.

    Tão logo a largada é dada, os mecânicos trocam os pneus normais pelos de chuva na Spyker de Winkelhock, que larga, assim, dos boxes. Como a chuva caiu logo após a largada, como você mesmo disse, Winkelhock leva vantagem sobre os demais pilotos.

    No ano anterior (2006), Markus Winkelhock havia participado de 4 treinos de sexta-feira, pela Midland, nos GPs do Bahrein, da Austrália, da Alemanha e da Hungria. Essa era, praticamente, sua experiência com um carro de F1. E esse GP da Europa de 2007, foi seu único GP na F1.

    Estatística surpreendente: Markus Winkelhock liderou, pelo menos, uma volta em 100% dos GPs de F1 que participou… (kkkkkkkkkk)

    Que carro lindo era aquela Spyker!!

    um abraço.

  7. Também… Vindo da “dinastia Winkelhock”, que ja teve outros como Jo e Manfred, seria mesmo de se esperar uma atitude dessas do “pequeno Markus”.

    Para quem não sabe: Winkelhock é sobrenome tão famoso nas pistas germânicas quanto Alzen(Uwe e Jurgen) e Stuck (Hans e Hans-Joachin).

  8. Lembro-me muito bem dessa corrida! Foi um uma grande prova; foi onde a “soberania” de Hamilton começou a ser colocada à prova.
    O que marcou a corrida foi a imagem da cara emburrada do Massa no pódio depois da batalha com Alonso.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: